sábado, 21 de junho de 2014

sexagésimo segundo.

Hoje, se me perguntassem, diria que acho que estou acostumada demais com você e gosto do que você me dá ou divide, mas você dá e divide menos, ainda, do que toma.
Hoje eu tremo e sou outra, não sua. Hoje eu tenho coisas demais pra fazer e minha cabeça secou há três dias.
Hoje eu tento ser paciente comigo mesma, mas ainda não sei se me obrigo ou se me livro. Sem mais livros.
Cem mais... cem mais processos catárticos até que me alinhe? Não tenho tempo. Eu não tenho tempo, eu não sei voar.